22 de março Dia mundial da Água

Um dos quatros elementos básicos da natureza que constitui a matéria-energia para a sobrevivência do ser humano é a água. É no dia mundial da água que aproveitamos para enfatizar a atenção com os recursos hídricos. Os reservatórios subterrâneos sempre foram tratados de forma ilimitada, o que não deveria ser, uma vez que existe um enorme consumo de água pelas indústrias e pela população, resultando num mundo que recebe enormes quantidades de esgotos, detritos industriais e escoamento direto do urbanismo e áreas rurais. Estas atividades acabam por envenenar as águas naturais de superfície e subterrânea com produtos químicos contaminantes, incluindo o despejo de toneladas de lixos nos oceanos.


Poluição ambiental

A falta de planeamento ambiental e de saneamento básico, o crescimento demográfico mundial com o uso da água na agricultura e indústria além do uso de agrotóxicos, deflorestação em áreas de preservação permanente, ocupação e poluição de um manancial de recursos, especulação imobiliária e a produção de lixo, traz-nos o vislumbre de um futuro próximo onde a água pode deixar de ser apropriada para o consumo permanente ou até mesmo deixar de existir. É fundamental consciencializar a população de tamanha problemática mundial com o desprovimento de água. Elaborar projetos de educação ambiental com a orientação à adoção de medidas que evitem o desperdício, o uso inadequado e a degradação das reservas hídricas, sobrepõe alguns passos que promovem um uso mais sustentável da água no planeta.


Crescimento demográfico

A preocupação com os recursos hídricos tem envolvido a administração pública mundial, cenário comum a países pobres, os em desenvolvimento e aqueles ditos de primeiro mundo, pois todos convivem num só planeta. Desde os anos 80, conflitos internacionais surgiram em função dos recursos hídricos. De acordo com especialistas do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), a seca meteorológica registada no ano de 2018 em Portugal não resultou numa situação de seca generalizada para todo o país, do ponto de vista de seca hidrológica.


Secas históricas

A situação mais crítica de seca hidrológica em Portugal verificou-se na barragem de Fagilde, que já se sabia que era insuficiente para o abastecimento de concelhos de Viseu, Mangualde, Nelas e Penalva do Castelo. Hoje, o país sofre menos com o problema da seca do que há 20 ou 30 anos, porque foram construídos sistemas de armazenamento de água que, apesar de tudo, ajudaram a mitigar os problemas até agora. Portugal encontra-se bem adiantado com as infraestruturas que reduzem acontecimentos que prejudicam a qualidade desse recurso natural, no entanto, é preciso reforçar as intervenções da problemática seca associada com as erosões dos solos, particularmente relevante após os incêndios florestais, sendo preciso proteger os solos de linhas de água.


Consciencialização

Para tal, é importante que o indivíduo se veja como parte integrante do ambiente e saiba que por meio das suas ações é um agente modificador deste mesmo meio. Outro aspeto é o de que ele precisa de se sentir elemento integrante da sociedade, interagindo e partilhando os mesmos direitos e deveres. A partir deste exercício de cidadania e conscientização, o indivíduo perceberá que as suas ações podem afetar os demais membros da sociedade, podendo obter um uso mais sustentável da água, garantindo assim que este recurso se mantém com qualidade e em quantidade adequada para as futuras gerações.


As futuras gerações agradecem
0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta